Cadê você, ministro Jungmann?
 

Mais um ano de fantasias e de desmonte do Programa Espacial no País, onde vendedores de ilusões, incompetentes e mal intencionados continuam em cargos chaves do programa quando não deveriam, enquanto um dos que poderia fazer algo vive alardeando na mídia a decisão governamental de criar um novo modelo de governança para o Programa Espacial Brasileiro (PEB), modelo este que prevê a criação de um Conselho Nacional do Espaço (CNE), de um Comitê Executivo do Espaço (CEE) e o reposicionamento da nossa Agência Espacial de Brinquedo (AEB) na estrutura de governo.

Ora leitor, é claro que nos referimos ao Ministro da Defesa Raul Jungmann, que ao lado desta nova iniciativa luta também para abrir novos sítios de lançamento para outras nações na área do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), tendo como projeto mais adiantado neste âmbito a possibilidade de abertura de um sítio para empresas norte-americanas.

Vale dizer que desde o primeiro governo do LULA o Jungmann é sem duvida o mais ativo ministro na questão espacial, inclusive sendo o primeiro a levar em visita oficial um Presidente da Republica ao CLA, desde a implantação dos governos civis. Porém, fica a questão: qual será a real intenção por de trás disso tudo?

Temo que infelizmente não sejam intenções nobres, já que se o ministro tivesse realmente boas intenções, deveria primeiramente estar debruçado para atender situações emergenciais do programa, projetos mobilizadores que estão parados ou andando a passo de tartaruga, e assim jogando o futuro espacial do Brasil na obscuridade do fracasso, e do desperdício de recursos públicos, (ex: Projeto SIAVLM-1Projeto SARA e o Projeto dos motores L15 e L75), seja por excessiva burocracia, seja por estupidez, por falta de foco, de visão, de brasilidade e também, principalmente, por interferência politica e até mesmo de ações de inteligência estrangeira.

Não há como negar a importância desses projetos para o desenvolvimento espacial do país e da própria área de Defesa, bem como para a nossa consolidação como potência espacial. No entanto, se não houver uma interferência severa e competente do governo, buscando soluções, gerando uma política espacial de verdade e efetiva, uma logística humana de qualidade, a infraestrutura física necessária, um sistema adequado de contra-inteligência e principalmente cobrando por resultados, o Brasil não fará parte do Clube das nações que dominam o acesso ao espaço. O tempo está passando e a distancia se ampliando ano após ano. Cadê você, ministro Jungmann?


Escrito, originalmente, por Duda Falcão no blog Brazilian Space e reproduzido com a autorização do autor.

Nota: toda opinião e/ou crítica expressa nessa publicação é exclusiva do autor e não representa a de outros colaboradores do nosso portal.