Participantes de concurso de arte fazem crescer obras-primas com micróbios
 

NotíciaParticipantes de concurso de arte fazem crescer obras-primas com micróbios

Diógenes Henrique31 de dezembro de 201724 min

Lindas bactérias. Artistas pintam com micróbios coloridos em paletas de ágar para o Concurso de Arte em Ágar da American Society for Microbiology.

Não importa o quão seja seu confidente, o seu mofo de cortina de chuveiro não poderia ter competido com o fungo competidor no concurso Agar Art deste ano. Este é o terceiro ano que a Sociedade Americana de Microbiologia realizou o concurso, pedindo “obras que estão no centro de um organismo que cresce em ágar”. A arte pode ser fruto de qualquer tipo de micróbio que seja capaz de colocar qualquer tamanho ou forma em placas de petri . O vencedor deste ano, a obra de Jasmine Temple, por exemplo, usou fermento para criar esta imagem de um pôr do sol sobre a água. Aprecie.

Terceira colocada

Abaixo está a “imagem diária” campeã de acessos no site e de alcance nas publicações em mídias sociais da revista The Scientist. Publicada em 23 de maio deste ano, a obra “Dancing Microbes”, de Ana Tsitsishvili, estudante de graduação da Universidade Agrícola da Geórgia, nos Estados Unidos, foi uma das finalistas 3º Cocurso Anual de Arte em Ágar da American Society for Microbiology (ASM).

A artista, Ana Tsitsishvili, de Tbilisi, Geórgia, ganhou o terceiro lugar com este arranjo de bactérias e fungos em caldo de infusão de cérebro e coração. O caldo infusão cérebro e coração é indicado para cultura de grandes variedades de microrganimos aeróbicos e anaeróbicos incluindo leveduras e fungos.

Na obra de Tsitsishvili, o micróbio comum da pele Staphylococcus epidermidis é responsável pela cor branca; Rhodotorula mucilaginosa, comum no leite, solo e ar, fez o rosa; o Micrococcus luteus, frequentemente encontrado no solo, na água, no ar e na pele, é responsável pelos voluptuosos cachos amarelos da donzela; Xanthomonas axonopodis, um micróbio patogênico de planta, ficou encarregado de fazer o verde. As combinações desses vários micróbios compõem todas coisas intermediárias.

"Dancing Microbes”, de Ana Tsitsishvili, ficou em terceiro lugar no American Society for Microbiology's 3rd Anuual Agar Art Contest, mas foi a campeão de acesos e reações nas publicações da revista The Scientist de 2017.
“Dancing Microbes”, de Ana Tsitsishvili, ficou em terceiro lugar no American Society for Microbiology’s 3rd Anuual Agar Art Contest, mas foi a campeão de acesos e reações nas publicações da revista The Scientist de 2017.

Segunda colocada

 

Arte "Finding Pneumo" de Linh Ngo do Sunnybrook Health Sciences Center (2º lugar).
Arte “Finding Pneumo” de Linh Ngo do Sunnybrook Health Sciences Center (2º lugar).

O trabalho vencedor do segundo lugar, Linh Ngo, que trabalha como tecnóloga de microbiologia em Ontário, Canadá, disse ao ASM que o amor de seus filhos pelo filme Procurando Nemo (Finding Nemo, Estados Unidos, 2003) inspirou sua pintura microbiana de coral. No processo, ela aprendeu sobre as consequências desastrosas que o aquecimento global representa para os recifes de corais. “Começou como um projeto onde eu poderia colar meu lado criativo com minhas habilidades de microbiologia”, ela disse à ASM.

Entretanto, essa não seja a primeira tentativa de Ngo de pintar com micróbios, segundo o site da revista GOOD. Ela começou a ser criativa com amostras de controle para entreter seus colegas de trabalho e, eventualmente, retirou tudo do mascote de Toronto Blue Jays ao personagem Olaf da Frozen. “Eu tinha um colega me pedir para desenhá-la como um minion”, Ngo diz à GOOD, acrescentando: “Realmente não há inspiração, adoro desenhar”.

Mas não vá pintar sua sala com bactérias ainda. Como Ngo enfatizou, os tipos de bactérias que ela e seus colegas de trabalho usam diariamente não são seguras para manipular fora de um ambiente de laboratório estruturado. Ela acrescentou que “é importante ter o conhecimento de agentes patogênicos e seus riscos associados”. Por exemplo, para obter uma aparência texturizada de seu coral, a Ngo usou Candida tropicalis, uma cepa patogênica de fermento que pode causar infecções fúngicas quando manipuladas incorretamente.

Serratia marcescens (roxo), Staphylococcus aureus (rosa e um pouco verde), Candida tropicalis (branco) e Klebsiella pneumoniae (cinza, mucoide) foram usadas para criar as cores na peça intitulada ‘Finding Pneumo: Starring Klebsiella pneumoniae'”, escreveu aASM. “Eu assisti este filme com frequência com meus filhos e eu estava maravilhada com a beleza do recife de coral. Olhando para imagens mais próximas do recife de coral, pareciam bactérias para mim e eu queria capturar isso no ágar “, disse Ngo. Ao fazer sua pesquisa, Ngo leu sobre os perigos que os recifes de coral enfrentam devido às mudanças climáticas. “Começou como um projeto onde eu poderia colar meu lado criativo com minhas habilidades de microbiologia, mas acabei trazendo consciência sobre os recifes de coral. Tudo isso é graças aos meus meninos especiais que me fazem ver as coisas em diferentes perspectivas. Sem eles, eu perderia essa maravilhosa oportunidade “, completou a talentosa microbiologia.

Vencedora

"Sunset at the End" de Jasmine Temple da Universidade de Nova York, Centro Médico Langone (1º lugar)
“Sunset at the End” de Jasmine Temple da Universidade de Nova York, Centro Médico Langone (1º lugar)

A microbiologista Jasmine Temple levou o prêmio do primeiro lugar com uma “pintura” de Sunset at the End criada criando pequenas gotas de fermento em uma placa de ágar. Temple, que trabalha como técnica de laboratório no Centro Médico Langone da NYU, disse que se inspirou em um momento em que ela assistiu o pôr-do-sol sobre Montauk. “Fiquei impressionado com a beleza do pôr-do-sol e pensei em quão bonito seria nas cepas de levedura rosa, azul e roxo”,  ela disse à ASM.

Tendo dupla especialização em biologia e arte de estúdio como graduação, Temple diz que a arte de ágar parecia uma boa maneira de combinar esses dois interesses. Mas foi um colega do artigo de pós-doutorado, Leslie Mitchell, (eles publicaram em 2015 sobre montagem de caminho em fermento) que realmente iniciou sua experimentação com essa incomum forma de arte. “Dois dos caminhos que ela reuniu foram beta-caroteno e violáceo”, diz Temple a GOOD. “Ela descobriu que dependendo de como os caminhos foram expressados, eles renderam cores diferentes; rosa, laranjas e amarelas para o beta-caroteno, e preto, púrpura e cinza para o violáceo”.

Desta forma, Temple pode combinar os valores de cor de uma imagem com as cores expressas por diferentes caminhos de fermento. Temple explicou o seu processo criativo: “Eu desenho a imagem em um tablet, a coloquei através de um algoritmo que corresponde os valores de cor da imagem que eu criei para os valores de cor da fermento que temos. O algoritmo me dá um tipo de mapa que posso usar com os pigmentos corretos para uma máquina chamada manipulador de líquidos acústicos. A máquina imprimirá o mapa com levedura, dando pequenas gotículas de tamanho de alfinete que crescem na imagem”.

Embora este método requer um pouco de treinamento, bem como um base em biologia, Temple diz que qualquer um pode ser treinado para fazer arte em ágar usando seu processo específico. E, embora normalmente pensemos em fermento como meio de fazer nossos produtos fermentados favoritos, como pão e cerveja, Temple ressalta que também pode usar fermento para fazer biocombustíveis, vitaminas e produtos farmacêuticos.

O 4º Cocurso Anual de Arte em Ágar da American Society for Microbiology está com suas inscrições abertas já em janeiro de 2018. Saiba mais: https://tinyurl.com/y9npce6e.

Fontes: ASM, Discover Magazine, The Scientist, GOOD Magazine.