CiênciaUm Guia Rápido para os Tipos de Evidências Científicas

Diógenes Henrique2 anos atrás
https://i0.wp.com/socientifica.com.br/wp-content/uploads/2017/10/553499-636263962189968236-16x9.jpg?fit=1200%2C675&ssl=1

O infográfico de hoje trata de ciência em geral, em vez de apenas uma área específica. Desta vez examinamos a hierarquia dos diferentes tipos de evidências científicas. Você pode pensar que ciência é ciência, mas algumas evidências são melhores classificadas do que outras na comunidade científica e ter uma consciência disso pode ajudá-lo a separar a ciência da pseudociência, principalmente quando se trata de várias alegações na Internet.

Algumas pessoas não têm certeza do que conta como evidências científicas robustas. Até certo ponto, você poderia argumentar que isso é uma falha na educação. Passamos muito tempo discutindo o método científico com aulas – o conceito de um teste honesto com controle de variáveis, repetindo experiências, esse tipo de coisa – mas raramente falamos sobre fontes de evidências científicas ou o processo científico em áreas como medicina ou toxicologia.

A razão para isso é talvez que, em partes, os conceitos sobre as fontes de evidências científicas sejam mais complicados, mas são exatamente eles cujos entendimentos trarão grandes benefícios, mesmo para aqueles que não estão destinados a uma carreira científica. A ideia de que as fontes de informação erradas na Internet poderiam deixar de existir com uma melhor compreensão pública das evidências científicas é um pouco idealista, mas talvez isso provoque nas informações que se seguirem questionamentos sobre a evidência fornecida, em vez de simplesmente aceitar logo de cara que tais alegações têm valor científico.

O primeiro ponto a se evidenciar sobre a evidência científica é que os tipos de evidências no infográfico abaixo nem sempre estão nítidas, nem o fato de que o tipo de evidência possui menor valor na hierarquia significa que ela deva ser desconsiderada. Na verdade, alguns delas podem ser precursoras dos tipos mais conclusivos de evidências. Por exemplo, ensaios médicos de medicamentos potenciais geralmente começam com ensaios de animais ou células, antes de progredir para ensaios randomizados controlados. Quando forem realizados ensaios controlados randomizados suficientes, é possível uma revisão sistemática desses ensaios. Assim, a acumulação de evidências científicas é um processo contínuo, muitas vezes envolvendo vários tipos das evidências mostradas aqui.

Antes de discutir os dois principais tipos de evidência, vale a pena discutir o ponto fora da curva: evidências anedóticas ou a opinião de um especialista. Um exemplo de evidência anedótica seria alguém relacionando uma reação que ele (ou ela) experimentou depois de ingerir um determinado tipo de alimento ou medicação. Embora a evidência anedótica possa atuar como um precursor da investigação científica, isoladamente, muitas vezes é considerada duvidosa.

Talvez seja surpreendente que uma opinião especializada sobre um tema específico esteja considerada no mesmo nível que a evidência anedótica. Se as referências a outros estudos científicos mais rigorosos são fornecidas como parte da opinião, claro, a opinião de um especialista pode ajudar, mas ainda assim é melhor ir à fonte da evidência nesses casos. Essas opiniões não são examinadas, portanto, se elas são publicadas em uma página de cartas dos leitores de um jornal, ou simplesmente online, e elas devem ser levadas em consideração tendo isso em mente. Eu poderia escrever que um produto químico particular se transformaria em um outro recém descoberto, mas, a menos que eu possa fornecer um link com as provas cientificamente válidas que respaldem a minha opinião, essa opinião não serviria para nada.

Geralmente, os estudos científicos com frequência se enquadram em duas categorias principais: observacional e experimental. Os estudos observacionais envolvem apenas cientistas que observam um evento que já está ocorrendo – eles podem observar uma característica no grupo de indivíduos participantes de sua pesquisa, por exemplo, alguns fumam e outros não, para ver quais os indivíduos que desenvolvem câncer de pulmão. No entanto, eles não interferirão ou terão algum efeito sobre esses estudos – eles simplesmente reunirão resultados à medida que o estudo progride.

Existem três subcategorias principais no grupo dos estudos observacionais. Os relatos de casos, usados particularmente em um contexto de saúde, meramente observam pessoas particulares e comentam suas condições. As séries de casos, que muitas vezes agrupam os relatos de casos, só diferem daqueles na medida em que incluem múltiplos assuntos. Esses estudos não podem comprovar que determinados tratamentos ou exposições causam certos efeitos, mas podem revelar áreas para potencial investigação posterior.

Um estudo de controle de casos, por outro lado, realmente funciona de trás para frente, ou seja, retrocedendo. Vamos pegar novamente exemplo de um contexto médico. É preciso um grupo de pacientes, alguns com sintoma ou com uma doença específica e alguns sem. Os pesquisadores então trabalham de trás para frente e tentam descobrir atributo comum ou alguma característica partilhada que que poderia revelar algo como possível causa do sintoma ou da doença – assim, há uma correlação entre o sintoma e a possível causa apontada no estudo. Um estudo de coorte, enquanto isso, é essencialmente o câncer de pulmão anteriormente fornecido, onde dois grupos de indivíduos (fumantes e não fumantes) são observados ao longo de um período de tempo quanto a característica câncer de pulmão.

Os tipos de estudos observacionais não inclusos no gráfico são os estudos transversais, que envolvem análise de dados coletados de uma amostra de população em um determinado momento, e estudos longitudinais, que envolvem a observação repetida de uma mesma variável durante um longo período de tempo. Os estudos longitudinais são mais comumente usados em psicologia e sociologia do que nas ciências tradicionais.

Estudos experimentais geralmente aparecem mais acima na hierarquia do que estudos observacionais, com uma exceção: estudos com animais ou células. Esses estão mais baixos, pelo menos quando se consideram os efeitos humanos, porque ambos são apenas modelos do que se passa no nosso corpo. Em termos de ensaios de drogas, os animais podem responder a uma droga de forma diferente do que os humanos responderiam para a mesma droga, e até mesmo em estudos envolvendo células humanas isoladamente, eles podem não atuar exatamente como fazem no corpo humano. Como tal, esses ensaios geralmente são precursores de estudos em seres humanos, quando isso é considerado apropriado. É claro que os ensaios de cosméticos em animais estão agora proibidos em muitos países, por isso essa evidência pode não estar disponível no caso de novos ingredientes em produtos de cuidados pessoais.

Os estudos experimentais envolvem cientistas realmente colocando os participantes em grupos e realizando experimentos. Em um ensaio controlado randomizado típico, os indivíduos são colocados aleatoriamente em um grupo; em um estudo médico simples, um grupo receberá o tratamento, enquanto o outro receberá um placebo que pareça idêntico ao remédio. Nos melhores testes, nem os participantes nem os pesquisadores sabem a qual grupo eles foram designados, pois isso ajuda a minimizar qualquer viés potencial. Um grupo de controle é importante, mas às vezes não é possível. Por exemplo, em testes de vacinas, não seria ético ocultar as vacinas de pessoas que sofrem de doenças potencialmente mortíferas e, em vez disso, dar-lhes um placebo.

No pico da hierarquia de evidências científicas está a revisão sistemática. Elas agrupam todas as pesquisas de alta qualidade sobre um tópico, particularmente o fornecido por ensaios clínicos randomizados, quando disponíveis. E esse tipo de evidência científica ajudam a mitigar vieses, propositais ou não, em estudos independentes e ajudam também a dar uma imagem mais equilibrada.

Outro estudo experimental não incluído no gráfico é o estudo de campo. Esses estudos ocorrem, não em um laboratório, mas na configuração natural do assunto alvo. Em algumas áreas de pesquisa, por exemplo, pesquisas sobre o uso de pesticidas, às vezes são vistas como tendo maior validade do que os ensaios controlados, embora suas conclusões também possam ser incertas devido à falta de controle sobre alguns outros fatores.

Em conclusão, espero que este gráfico ajude a esclarecer as diferentes formas de evidência científica que há e o que cada uma significa. Estar ciente de cada um desses tipos é uma ferramenta útil na interpretação de evidências científicas e no sentido de alegações na mídia e em outros lugares (como visto mais comumente em nossos dias na internet). Se você ainda não viu, você também deve verificar o infográfico Rough Guide to Spotting Bad Science (em inglês), que é um tema semelhante a este e que também foi preparado na ocasião para combinar o estilo deste gráfico.

Enquanto isso, se você tiver alguma sugestão de melhorias no gráfico, ficaria feliz em recebê-las. Sinta-se livre para deixar seu comentário abaixo! Agradecemos aos que nos deixem comentários, sugestões e críticas sobre este gráfico antes de sua publicação, em especial ao amigo Julio Batista pelas sugestões de melhoria e comentários críticos, que muito serviram para a tradução do infográfico.

Infográfico: Guia Rápido para os Tipos de Evidências Científicas
Infográfico: Guia Rápido para os Tipos de Evidências Científicas

Texto adaptado de Compound Interest – A Rough Guide to Types of Scientific Evidence.

Clique aqui para ampliar ou fazer download ou clique na imagem acima.