O legado de Carl Sagan: Do "Pálido Ponto Azul" ao Espaço Interestelar
 

BiografiaCiênciaFigurasO legado de Carl Sagan: Do “Pálido Ponto Azul” ao Espaço Interestelar

Redação27 de agosto de 20169 min

O famoso astrônomo Carl Sagan trouxe as maravilhas do Universo para as pessoas que vivem no planeta que ele apelidou de “pálido ponto azul.”

Embora Sagan tenha morrido em 1996 devido a complicações de uma doença rara na medula óssea, quando ele tinha 62 anos, sua influência sobre o público está viva até hoje. Sua minissérie inovadora, “Cosmos: Uma Viagem Pessoal”, usava efeitos visuais, analogias e comentários realistas para levar a ciência à casas das pessoas.

O remake da série, chamado de ” Cosmos: Uma Odisséia no Espaço,” apresentado pelo astrofísico Neil de Grasse Tyson  estreou na Fox em 2014. O reboot usou a marca educacional única de Sagan para trazer sua mensagem de alfabetização científica a uma nova geração de espectadores. Tyson também leva a memória da influência de Sagan sobre sua vida e obra.

Eu era apenas um garoto de 17 anos de idade do Bronx com sonhos de se tornar um cientista, e de alguma forma, o mais famoso astrônomo do mundo encontrou tempo para me convidar para ir a Ithaca, em Nova York e passar um sábado com ele”, disse Tyson durante o primeiro episódio do reboot  de “Cosmos”. “Eu me lembro como se fosse ontem.”

Carl Sagan, portrait. Photo by Eduardo Castaneda
Carl Sagan, portrait. Photo by Eduardo Castaneda

“Eu já sabia que queria ser um cientista, mas naquela tarde, eu aprendi com Carl o tipo de pessoa que eu queria ser”, acrescentou Tyson. “Ele estendeu a mão para mim e para muitos outros, inspirando muitos de nós a estudar, ensinar e fazer ciência. A ciência é um empreendimento cooperativo abrangendo as gerações.”

Carl Sagan também inspirou uma outra pessoa que ajudou com o reboot de “Cosmos”. Seth MacFarlane – criador do “Family Guy” e um produtor executivo do novo “Cosmos” – tem sido um fã de Sagan desde que ele era uma criança.

“Eu sempre fui interessado em ciência”, disse MacFarlane. “Eu lembro de ter visto o original ‘Cosmos’ quando eu era criança, adolescente e agora, como um adulto. Eu já vi isso várias vezes.”

Sagan também coloca a vida na Terra em perspectiva. Ele orquestrou a famosa foto do “Pálido Ponto Azul” obtida pela Voyager a mais de 6 bilhões de quilômetros de distância, mostrando Terra como um pequeno ponto de luz, uma visão na qual os seres humanos nunca viram antes.

“Olhem de novo esse ponto. É aqui, é a nossa casa, somos nós. Nele, todos a quem ama, todos a quem conhece, qualquer um sobre quem você ouviu falar, cada ser humano que já existiu, viveram as suas vidas. O conjunto da nossa alegria e nosso sofrimento, milhares de religiões, ideologias e doutrinas econômicas confiantes, cada caçador e coletor, cada herói e covarde, cada criador e destruidor da civilização, cada rei e camponês, cada jovem casal de namorados, cada mãe e pai, criança cheia de esperança, inventor e explorador, cada professor de ética, cada político corrupto, cada “superestrela”, cada “líder supremo”, cada santo e pecador na história da nossa espécie viveu ali – em um grão de pó suspenso num raio de sol.”

Sagan foi mais do que uma figura pública e comunicador de ciência; ele também contribuiu para a ciência e exploração. A Voyager 1 , agora o mais distante objeto feito pelo homem já lançado para o espaço, carrega um pedaço do legado de Sagan com ele para o espaço interestelar: Cada uma das sondas Voyager detém um disco de ouro inscrito com mensagens e sons de Terra. A missão foi curada por um comitê presidido por Sagan.

“A sonda será encontrada e o registro será ouvido apenas se houver civilizações avançadas no espaço interestelar”, disse Sagan. “Mas o lançamento desta garrafa no oceano cósmico diz algo muito esperançoso sobre a vida neste planeta.”

Sagan foi o primeiro a criar um modelo de estufa para a atmosfera de Vênus , mostrando que o planeta teve temperaturas muito mais elevadas do que se pensava anteriormente. Sagan foi também um consultor da NASA da missão Viking para Marte (o primeiro lander americano no planeta vermelho) e outras missões no sistema solar.

Crédito: John Harrington
Seth MacFarlane e Ann Druyan olhando para itens da coleção de Carl Sagan e Ann Druyan , que estiveram em exposição na Biblioteca do Congresso para a abertura oficial do arquivo em março de 2014. Crédito: John Harrington

Traduzido e adaptado de Space