Mary Anning: como uma mulher pobre se tornou uma das maiores paleontólogas do mundo

Entre muitas descobertas, ela encontrou o primeiro fóssil completo de plesiossauro, o primeiro pterossauro britânico e descobriu que os coprólitos eram excrementos fossilizados.

924 0

Lyme Regis é uma cidade muito linda em Dorset, no oeste da Inglaterra, empoleirada no topo das falésias do patrimônio mundial da Costa Jurássica. Graças a uma campanha de uma menina local de 10 anos e sua mãe, as pessoas desta cidade estão levantando fundos para erigir uma estátua para sua famosa cidadã, Mary Anning. Como especialista em paleontologia, acho que esta é uma ideia brilhante.

Mary Anning nasceu em 1799. Sua família era pobre – e um pouco trágica. Ela foi nomeada com o nome de uma irmã mais velha que morreu em um incêndio. Seu pai morreu quando ela era apenas uma adolescente, deixando sua família dependente da venda de amonites, belamnites e outros fósseis para turistas de Lyme Regis. Os fósseis se tornaram o negócio da família – e Mary era a mais notável observadora de fósseis.

O trabalho era muitas vezes perigoso: os penhascos da costa jurássica são traiçoeiros (o cão de Mary foi morto em um deslizamento de terra durante a prospecção). Ainda com 20 e poucos anos, Anning tornou-se uma lendária caçadora de fósseis. Ela encontrou o primeiro fóssil completo de plesiossauro, o primeiro pterossauro britânico e descobriu que os coprólitos eram excrementos fossilizados. Em Lyme Regis, ela e sua família abriram o “depósito de fóssil da Anning”, onde seus fósseis foram comprados para coleções nos Estados Unidos e na Europa.

Muitos dos grandes caçadores de fósseis da época compravam e iam caçar fósseis com ela. Seu conhecimento de anatomia fóssil era óbvio para aqueles “no saber” e ela se tornou uma espécie de celebridade local. Lady Harriet Silvester ficou maravilhada com o fato de que “essa menina pobre e ignorante” poderia ter “chegado a esse grau de conhecimento e ter o hábito de escrever e conversar com professores e outros experts sobre o assunto, e todos reconhecem que ela entende mais a ciência do que qualquer outra pessoa neste reino”.

Desmoronamento perto de Lyme Regis.

A imagem que temos da personalidade de Anning é de alguém que sabe do que está falando e não se importa em avisar você. Como o mineralogista escocês Thomas Allen observou : “O conhecimento de Mary Anning sobre o assunto é bastante surpreendente – ela está perfeitamente familiarizada com a anatomia de seus sujeitos, e seu relato de suas disputas com Buckland, cuja ciência anatômica ela detém em grande desprezo, foi bastante divertido”.

O reverendo Buckland era um gigante de geologia de Oxford e ele e Anning frequentemente trabalhavam juntos, particularmente em coprólitos. Gideon Mantell, o descobridor de Iguanadon, descreveu Anning (em termos bastante misóginos) como uma “leoa geológica… em uma pequena loja suja, com centenas de espécimes empilhados ao seu redor na maior desordem.”

Anning, portanto, foi uma dos principais contribuintes para as ciências da geologia e paleontologia, ao mesmo tempo que os dois campos estavam ganhando estimas – estabelecendo-se em museus e ganhando interesse mundial. O historiador Hugh Torrens, em seu discurso presidencial de 1995 sobre Anning para a Sociedade Britânica para a História da Ciência, escolheu o epíteto de “maior fóssil que o mundo conheceu” pelo título de sua palestra. Então, por que Anning está apenas ganhando uma estátua? Por que ela não tem um lugar mais proeminente na história da ciência? Existem várias explicações.

SEXISMO E CLASSISMO

A resposta mais óbvia é o gênero de Anning. Na época de Anning, a ciência era um domínio muito masculino. Mesmo hoje, apenas 35% dos inscritos nas disciplinas STEM e apenas 28% dos pesquisadores do mundo são mulheres. A maioria das descrições contemporâneas de Anning expressou surpresa por uma mulher ser tão experiente, muitas vezes com a implicação de que tal conhecimento no “sexo justo” é ameaçador.

Outro fator foi a aula. A ciência não era simplesmente o domínio dos homens, mas dos cavalheiros. Como o artista e geólogo Henry De la Beche escreveu no aviso de morte de Anning, ela “não foi colocada entre nem mesmo as classes mais fáceis da sociedade, mas quem teve que ganhar seu pão diário com seu trabalho”. A pesquisa de Anning estava intimamente ligada a como ela ganhava a vida. Para a mente vitoriana, tal confiança era bastante desagradável e sujava a busca pura de conhecimento.

O fato de Anning – apesar dela ter vivido de encontrar e classificar fósseis – ter sido classificado como amadora é uma terceira explicação (ela não tinha instrução). Sua classe e gênero negaram afiliação (ou mesmo frequência) à Sociedade Geológica. Um dos mitos sobre Anning ao longo dos séculos 19 e 20 era a ideia de que ela mal era alfabetizada: uma espécie de prodígio do fóssil de classe baixa que tinha pouco aporte real na ciência da paleontologia.

Anning raramente era citada em publicações acadêmicas – ou mesmo creditada por suas descobertas. O trabalho cuidadoso de historiadores rastreando as muitas cartas entre Anning e geólogos proeminentes revelou não apenas o conhecimento de Anning sobre fósseis, mas também os debates em torno dos mundos perdidos há muito tempo revelados por esses fósseis. Considerando o papel proeminente dos amadores como “cientistas cidadãos” na paleontologia hoje, o exemplo de Anning é revelador.

GRANDES IDEIAS CIENTÍFICAS

Outra razão pela qual Anning teve pouco impacto durante sua vida e além é o viés para as grandes teorias científicas. Cientistas que são considerados grandes e heroicos – como Charles Darwin ou Isaac Newton – construíram teorias sistemáticas sobre como o universo funcionava. Anning, em contraste, coletou fósseis e os preparou para exibição (embora agora saibamos que ela influenciou o debate também).

Plesiosaurus macrocephalus encontrado por Mary Anning em 1830.

No entanto, Darwin dependia de forma semelhante de experimentos de reprodução cuidadosa e observações naturais, enquanto Newton contava com uma enorme rede de comerciantes, exploradores e astrônomos para coletar os dados experimentais subjacentes ao seu trabalho. Anning era uma trabalhadora de campo e preparadora de fósseis notavelmente habilidosa e experiente. A ciência do trabalho de campo, a preparação de fósseis e assim por diante – muitas vezes invisível – é necessária e importante por si só.

Anning morreu de câncer de mama em 1847 após uma década difícil. No final da década de 1830, a caça fóssil tornou-se mais difícil e sua última venda ao Museu Britânico foi registrada em 1840. Ela não foi esquecida pela comunidade geológica que havia se beneficiado de suas descobertas. Eles ajudaram a conceder-lhe uma anuidade de £ 25 em 1838.

O filósofo Derek Turner refletiu sobre como a história da paleontologia poderia ter sido diferente se Anning tivesse recebido o reconhecimento e apoio que ela merecia: “Que contribuições teóricas ela poderia ter feito? E como nossas imagens populares do caçador de fósseis se desenvolveram diferentemente? Pensaríamos diferente sobre a coleta de fósseis comerciais? As mulheres seriam melhor representadas e mais visíveis na paleontologia hoje?

Uma estátua para Mary Anning não se limita a comemorar suas realizações notáveis ​​- conquistas feitas apesar do viés considerável – mas representa o que ela poderia ter conseguido se tivesse vivido em um mundo sem esse viés.

 é professor de Filosofia na Universidade de Exeter.

Este artigo foi traduzido de The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.

Gosta do nosso trabalho?

Auxilie-nos no pagamento dos livros, da hospedagem e dos demais gastos que temos com a Sociedade Científica, ao mesmo tempo que você se torna nosso padrinho ou nossa madrinha doando uma quantia mensal a partir de R$ 3!

Publicação arquivada em