Cientista de Oxford pode ter resolvido o mistério da matéria escura

E é um problema mental.

9092 0

MATÉRIA ESCURA

Um dos mistérios mais irritantes da física é o da matéria escura e da energia escura, os nomes dados ao material desconhecido e à energia que as observações sugerem permear o universo, mas que não podemos ver. Os cientistas acreditam que, juntos, esses materiais escuros podem representar até 95% da massa total do universo.

Um pesquisador da Universidade de Oxford diz que uma nova teoria poderia explicar todos esses “fenômenos obscuros” – e isso poderia ser um problema mental.

FLUIDO ESCURO

A pesquisa, publicada na revista  Astronomy and Astrophysics, sugere que a matéria e a energia escuras podem ser explicadas se forem tratadas como um “fluido de massa negativo”. Basicamente, esse fluido invisível se comporta de maneira oposta a todos os materiais convencionais: ao empurrá-lo, ele aceleraria em direção a você, em vez de ir embora.

Jamie Farnes, o astrofísico de Oxford por trás da nova teoria, criou um modelo de computador para explorar como esse fluido escuro afetaria o universo. Ele descobriu que isso poderia explicar por que as galáxias se mantêm unidas enquanto giram em vez de se afastar – uma sugestão tentadora de que seu novo modelo poderia resolver os enigmas astrofísicos existentes.

MATERIAIS ESCUROS

Em um ensaio para  The Conversation, Farnes admite que a teoria da massa negativa poderia estar incorreta – mas também expressa a esperança de que, se for confirmada por observações futuras, poderia fornecer um novo modelo para explicar os mistérios do cosmos.

“Apesar desses esforços, uma cosmologia de massa negativa pode estar errada”, escreveu ele. “A teoria parece fornecer respostas a tantas questões atualmente abertas que os cientistas – com toda a razão – serão bastante suspeitos. No entanto, muitas vezes são as ideias prontas que fornecem respostas para problemas de longa data. A forte evidência acumulada agora cresceu ao ponto que devemos considerar essa possibilidade incomum”. [Futurism]

Publicação arquivada em