Juno identifica “trens de ondas” na atmosfera jupiteriana

O nave Juno da NASA detectou "trens de ondas" — estruturas massivas de gás em movimento que parecem ondas — na atmosfera de Júpiter.

465 0

As “wave trains”, ou “trens de ondas”, são estruturas atmosféricas imponentes que seguem uma após a outra enquanto percorrem a atmosfera de Júpiter. Essas estruturas foram detectados pela primeira vez pelas missões Voyager da NASA durante seus sobrevoos no gigante gasoso em 1979.

“O gerador de imagens da Juno chamado JunoCam conta com mais trens de ondas distintos do que qualquer outra missão espacial desde a Voyager”, disse o membro da equipe Juno, Dr. Glenn Orton, do Laboratório de Propulsão a Jato (JPL, na sigla inglesa) da NASA. “Os trens de ondas, que consistem de apenas duas ondas a até várias dúzias de sequência de ondas, podem ter uma distância entre cristas tão pequenas quanto 65 quilômetros (40 milhas) e tão grandes quanto 1.200 quilômetros (760 milhas).”

A maioria das ondas é vista em trens de ondas alongados, espalhados na direção leste-oeste, com cristas de ondas perpendiculares à orientação do trem. “A sombra da estrutura das ondas em uma imagem nos permitiu estimar a altura de uma onda a cerca de dez quilômetros de altura”, disse Orton. Contudo, outras frentes em trens de ondas similares inclinam-se significativamente em relação à orientação do trem de ondas, e outros trens de ondas seguem caminhos inclinados ou sinuosos.

“As ondas podem aparecer perto de outras características atmosféricas jupiterianas, perto de vórtices ou ao longo de linhas de fluxo, e outras não apresentam qualquer relação com algo próximo”, observou o Orton.

Três ondas podem ser vistas nesta imagem, que é um pedaço de uma imagem da JunoCam tirada em 2 de fevereiro de 2017, durante o quarto sobrevoo da Juno em Júpiter. Crédito da imagem: NASA / JPL-Caltech / SwRI / MSSS / JunoCam.

A região mostrada nesta imagem é parte da banda visivelmente escura ao norte do equador de Júpiter conhecido como o Cinturão Equatorial do Norte. A maior parte deste cinturão é caracterizada por movimentos de afundamento, mas durante o quarto sobrevoo havia várias áreas brilhantes de nuvens ascendentes. Uma daquelas nuvens ascendentes parece ser acompanhada por regiões escuras, que são provavelmente sombras. A sombra associada ao centro das três ondas tem cerca de 40 quilômetros (25 milhas) de comprimento; do ângulo da iluminação, os pesquisadores deduziram que a parte sombreada da onda deve estar a cerca de 6 quilômetros acima do convés principal, com o pico da onda provavelmente próximo a 10 quilômetros acima do convés principal da nuvem. “Alguns trens de ondas aparecem como se estivessem convergindo, e outros parecem estar sobrepostos, possivelmente em dois níveis atmosféricos diferentes”, disse Orton.

“Em um caso, as frentes de onda parecem estar irradiando para fora do centro de um ciclone. Embora a análise esteja em andamento, a maioria das ondas são ondas gravitacionais atmosféricas — ondulações de subida e descida que se formam na atmosfera acima de algo que perturba o fluxo de ar, como uma corrente de tempestade, interrupções do fluxo em torno de outras características ou outra perturbação que a JunoCam não detecta”, explicou Orton. [Sci-News]

Publicação arquivada em