A Voyager 2 está oficialmente deixando o sistema solar, segundo dados recentes

A Voyager 2 está a pouco menos de 11 bilhões de quilômetros da Terra, ou mais de 118 vezes a distância da Terra ao Sol.

4744 0

A sonda Voyager 2, da NASA, atualmente em uma jornada em direção ao espaço interestelar, detectou um aumento nos raios cósmicos que se originam fora do nosso sistema solar. Lançada em 1977, a Voyager 2 está a pouco menos de 11 bilhões de quilômetros da Terra, ou mais de 118 vezes a distância da Terra ao Sol.

Desde 2007, a sonda tem viajado através da camada mais externa da heliosfera – a vasta bolha em torno do Sol e os planetas dominados por material solar e campos magnéticos. Cientistas da Voyager têm observado a espaçonave alcançar a fronteira externa da heliosfera, conhecida como a heliopausa. Uma vez que a Voyager 2 saia da heliosfera, ela se tornará o segundo objeto feito pelo homem, após a Voyager 1, a entrar no espaço interestelar.

Desde o final de agosto, o instrumento Cosmic Ray Subsystem, na Voyager 2, mediu cerca de 5% de aumento na taxa de raios cósmicos que atingem a espaçonave em comparação com o início de agosto. O instrumento Low-Energy Charged Particle da sonda detectou um aumento similar em raios cósmicos de alta energia.

Raios cósmicos são partículas de movimento rápido que se originam fora do sistema solar. Alguns desses raios cósmicos são bloqueados pela heliosfera, então os planejadores da missão esperam que a Voyager 2 meça um aumento na taxa de raios cósmicos à medida que se aproxima e atravessa a fronteira da heliosfera.

Em maio de 2012, a Voyager 1 experimentou um aumento na taxa de raios cósmicos semelhante ao que a Voyager 2 está detectando agora. Isso foi cerca de três meses antes de a Voyager 1 cruzar a heliopausa e entrar no espaço interestelar.

No entanto, membros da equipe Voyager observam que o aumento nos raios cósmicos não é um sinal definitivo de que a sonda está prestes a atravessar a heliopausa. A Voyager 2 está em um local diferente na heliosfera – a região externa da heliosfera – do que a Voyager 1, e possíveis diferenças nessas localizações significam que a Voyager 2 pode experimentar uma linha de tempo de saída diferente da Voyager 1.

O fato de que a Voyager 2 pode estar se aproximando da heliopausa seis anos depois da Voyager 1 também é relevante, porque a heliopausa se move para dentro e para fora durante o ciclo de atividade de 11 anos do Sol. A atividade solar refere-se às emissões do Sol, incluindo erupções solares e erupções de material chamado de ejeções de massa coronal. Durante o ciclo solar de 11 anos, o Sol atinge um nível máximo e mínimo de atividade.

“Estamos vendo uma mudança no ambiente ao redor da Voyager 2, não há dúvida sobre isso”, disse o cientista do Projeto Voyager, Ed Stone, baseado no Caltech em Pasadena. “Vamos aprender muito nos próximos meses, mas ainda não sabemos quando chegaremos à heliopausa. Ainda não estamos lá – isso é uma coisa que posso dizer com confiança”.

A espaçonave Voyager foi construída pelo Laboratório de Propulsão a Jato da NASA em Pasadena, Califórnia, que continua a operar ambas. JPL é uma divisão da Caltech. As missões Voyager fazem parte do Observatório do Sistema Heliofísico da NASA, gerenciado pela Divisão de Heliofísica da Diretoria da Missão Científica em Washington. [NASA]

Publicação arquivada em