Uma estrela está a caminho do nosso Sistema Solar, e chegará mais cedo do que pensávamos

Por um bom tempo sabemos que outra estrela está se dirigindo em nossa direção, e agora os astrônomos não apenas confirmaram essa previsão, mas disseram que ela está mais próxima e mais rápida do que pensávamos....

44143 0

Por um bom tempo sabemos que outra estrela está se dirigindo em nossa direção, e agora os astrônomos não apenas confirmaram essa previsão, mas disseram que ela está mais próxima e mais rápida do que pensávamos. A estrela se chama Gliese 710, que é cerca de 60% da massa do nosso sol. É uma estrela anã que, em pouco mais de um milhão de anos, chegará a um quinto de um ano-luz do nosso Sistema Solar.

A essa distância, é um motivo de preocupação, pois estará bem dentro da nuvem de Oort – uma vasta nuvem de cometas que cerca o nosso Sol até um ano-luz de distância. É possível que ela envie alguns desses cometas voando para dentro do sistema, ou até mesmo perturbe os planetas com sua atração gravitacional.

Graças ao primeiro lote de dados do observatório espacial Gaia da Agência Espacial Europeia, os astrônomos Filip Berski e Piotr Dybczyński foram capazes de refinar essa previsão em 2016. Eles disseram que faria sua aproximação em 1,35 milhões de anos, a uma distância de 0,25 anos-luz, ou 16.000 vezes a distância da Terra-Sol.

Mas agora que o segundo lote de dados foram usados para refinar isso ainda mais. Em um pequeno artigo publicado no arXiv, os astrônomos Raul de la Fuente Marcos e Carlos de la Fuente Marcos, da Universidade de Madrid, dizem que a estrela vai se aproximar mais cedo.

Seus cálculos sugerem que ela vai passar pelo Sistema Solar em cerca de 1,29 milhões de anos, a uma distância de apenas 0,07 anos-luz. Isso é pouco mais de 4.000 vezes a distância entre a Terra e o Sol.

No momento, a estrela está a 62 anos-luz de nós, então certamente não está realizando nenhum efeito em nosso sistema solar. Mas parece que em um futuro distante nossos descendentes podem ter que lidar com essa passagem próxima. Esperemos que eles consigam sobreviver. [IFLS]

Publicação arquivada em