Plutão está prestes a voltar a ser classificado como um planeta novamente

18240

A razão pela qual Plutão perdeu seu status de planeta não é válida, de acordo com uma nova pesquisa da Universidade da Central Flórida, em Orlando.

Em 2006, a União Astronômica Internacional, um grupo global de especialistas em astronomia, estabeleceu a definição de um planeta que precisava “limpar” sua órbita, ou, em outras palavras, ser a maior força gravitacional em sua órbita.

Como a gravidade de Netuno influencia seu planeta vizinho, Plutão compartilha sua órbita com gases congelados e objetos no cinturão de Kuiper, o que significa que Plutão estava fora do status de planeta. No entanto, em um novo estudo publicado na quarta-feira na revista Icarus, o cientista planetário da UCF, Philip Metzger, do Instituto Espacial da Flórida, informou que esse padrão de classificação de planetas não é apoiado na literatura de pesquisa.

Metzger, que é o autor principal do estudo, revisou a literatura científica dos últimos 200 anos e encontrou apenas uma publicação – a partir de 1802 – que utilizou a exigência da órbita para classificar os planetas, e foi baseada em um raciocínio refutado.

Ele disse que as luas como Titã de Saturno e Europa de Júpiter têm sido rotineiramente chamadas de planetas por cientistas planetários desde a época de Galileu.

“A definição da UAI (União Astronômica Internacional) diria que o objeto fundamental da ciência planetária, o planeta, deve ser definido com base em um conceito que ninguém usa em suas pesquisas”, disse Metzger. “E deixaria de fora o segundo planeta mais complexo e interessante do nosso sistema solar.” “Agora temos uma lista de mais de 100 exemplos recentes de cientistas planetários usando a palavra planeta de uma forma que viola a definição da UAI, mas eles estão fazendo isso porque é funcionalmente útil”, disse ele. “É uma definição malfeita”, disse Metzger sobre a definição da UAI. “Eles não disseram o que queriam dizer ao limpar sua órbita. Se você pegar isso literalmente, então não há planetas, porque nenhum planeta limpa sua órbita.”

O cientista planetário disse que a revisão da literatura mostrou que a divisão real entre planetas e outros corpos celestes, como os asteroides, ocorreu no início dos anos 1950, quando Gerard Kuiper publicou um artigo que fez a distinção baseada em como eles foram formados.

No entanto, mesmo este motivo não é mais considerado um fator que determina se um corpo celeste é um planeta, disse Metzger.

O co-autor Kirby Runyon, do Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins, em Laurel, Maryland, disse que a definição da UAI era errônea, pois a revisão da literatura mostrou que a órbita de limpeza não é um padrão usado para distinguir asteroides de planetas, ao elaborar a definição de planetas de 2006.

“Nós mostramos que esta é uma alegação histórica falsa”, disse Runyon. “Portanto, é falacioso aplicar o mesmo raciocínio a Plutão”, disse ele. Metzger disse que a definição de um planeta deve basear-se em suas propriedades intrínsecas, ao invés daquelas que podem mudar, como a dinâmica da órbita de um planeta. “A dinâmica não é constante, eles estão constantemente mudando”, disse Metzger. “Então, eles não são a descrição fundamental de um corpo, eles são apenas a ocupação de um corpo na era atual.”

Em vez disso, Metzger recomenda classificar um planeta com base em se ele é grande o suficiente para que sua gravidade permita que ele se torne esférico.

“E isso não é apenas uma definição arbitrária”, disse Metzger. “Acontece que este é um marco importante na evolução de um corpo planetário, porque aparentemente quando isso acontece, ele inicia a geologia ativa no corpo.”

Plutão, por exemplo, tem um oceano subterrâneo, uma atmosfera multi-camada, compostos orgânicos, evidências de antigos lagos e múltiplas luas, disse ele.

“É mais dinâmico e vivo que Marte”, disse Metzger. “O único planeta que tem geologia mais complexa é a Terra.”[ScienceDaily]

Referência

  1. Philip T. Metzger, Mark V. Sykes, Alan Stern, Kirby Runyon. The Reclassification of Asteroids from Planets to Non-PlanetsIcarus, 2018; DOI: 10.1016/j.icarus.2018.08.026.
Publicação arquivada em