Surgiu um vazamento na ISS, mas não há razão para entrar em pânico… Provavelmente

582

A Estação Espacial Internacional (ISS) é incrível. Flutuando a 408 quilômetros (254 milhas) acima de nós, os astronautas fazem experimentos científicos e tiram ótimas fotos da Terra girando abaixo deles.

Mas a ISS é também um minúsculo lugar, com um banheiro terrível e que, ocasionalmente, tem vazamentos.

Na quarta-feira (29) às 18h no horário de Brasília (2300 UTC ou 19 p.m. EDT), os controladores de voo começaram a notar um pequeno vazamento de pressão na ISS.

Embora isso pareça aterrorizante, a equipe fez a decisão de não acordar a tripulação, já que eles não estavam em perigo imediato.

Na manhã seguinte, a equipe informou a todos os astronautas a bordo das notícias surpreendentes (e ligeiramente preocupantes), e todos os membros da equipe foram à procura do buraco.

“Uma situação de emergência ocorreu na ISS à noite e de manhã: uma queda na pressão e um vazamento de ar na estação. Medidas foram tomadas para determinar a origem do vazamento”, explicou Dmitry Olegovich Rogozin, chefe da Corporação Espacial da Rússia, Roscosmos, em uma reportagem da agência estatal de notícias russa TASS.

“A equipe norte-americana se reuniu no segmento russo e, subsequentemente, os compartimentos foram fechados um a um para entender o que aconteceu e onde. Como resultado, localizamos o problema.”

O módulo Soyuz MS-09, à esquerda, está acoplado ao módulo russo Rassvet da ISS. O vazamento teve origem na seção superior da nave espacial. (Crédito da foto: NASA)

Eles finalmente descobriram que o vazamento estava vindo de um buraco de dois milímetros no segmento russo da ISS, a seção superior da nave espacial Soyuz MS-09 — que atualmente está conectada ao módulo Rassvet.

Uma vez que o vazamento foi encontrado, a equipe resolveu corrigi-lo … com fita adesiva. Especificamente a fita Kapton, que vem sendo usada em viagens espaciais desde os anos 60.

Embora essa solução fosse boa para o momento, definitivamente não era uma solução permanente.

“O comandante da Soyuz, Sergey Prokopyev, da Roscosmos, usou epóxi em uma gaze para tapar o buraco identificado como fonte de vazamentos”, diz a NASA em um post no seu blog“Enquanto as equipes discutiam as opções, os controladores de voo em Moscou realizaram um aumento parcial da atmosfera da estação usando o suprimento de oxigênio da nave de carga ISS Progress 70”.

Então, por enquanto, parece que a tripulação da Expedição 56 está segura. Os controladores de voo sempre estão monitorando a estação espacial para o caso de algo dar errado.

A tripulação da Expedition 56-57 ancorou com sucesso na Estação Espacial Internacional (ISS) através da espaçonave Soyuz MS-09 em 8 de junho de 2018.

Eles também precisam determinar o que causou o vazamento, mas, neste estágio, não há informações liberadas sobre o que poderia ter acontecido. Rogozin abordou a questão enquanto falava aos repórteres na quinta-feira, segundo a rede de televisão ABC.

“Uma micro-fratura foi encontrada. O mais provável é que seja um dano externo. Os projetistas acreditam que este é o resultado de um micro-meteorito”, disse Rogozin, segundo a TASS. “As vidas e a saúde dos tripulantes não estão ameaçadas e a espaçonave provavelmente será preservada como resultado do uso de um kit de ferramentas de reparo para localizar esse vazamento”, informou a agência de notícias.

Mas, de acordo com a NASA, “todos os sistemas de estação estão estáveis ​​e a tripulação está planejando retornar ao seu horário regular de trabalho na sexta-feira”.

Parece ter sido agitado o início do dia de trabalho para a tripulação da ISS naquela quarta.

Fontes: NASA, U.S. space agency, TASS e ABC.

Publicação arquivada em