Do que é preciso para descobrir um fóssil de dinossauro?

The Guardian — A ciência e a tecnologia andam de mãos dadas, estimulando-se mutuamente com novos insights e técnicas. A paleontologia também se beneficiou dessa relação, desde microscópios eletrônicos de varredura e vídeos XROMM a impressão...

3529 0

The Guardian — A ciência e a tecnologia andam de mãos dadas, estimulando-se mutuamente com novos insights e técnicas. A paleontologia também se beneficiou dessa relação, desde microscópios eletrônicos de varredura e vídeos XROMM a impressão 3D e modelos fotogramétricos que desempenham um papel na descoberta dos segredos do passado. Mas o aspecto mais fundamental da paleontologia – encontrar fósseis, permanece do jeito mais primitivo.

Mesmo as expedições mais financiadas pelos pesquisadores experientes dependem basicamente de ter botas no chão e pessoas à procura de fósseis. É basicamente isso, você anda e olha.

Diversas técnicas tecnologicamente orientadas foram desenvolvidas para tentar melhorar o processo, mas tiveram sucesso limitado e as recompensas não superaram os custos. Foi usado radar de penetração no solo, mas o problema fundamental é que os fósseis têm geralmente densidades muito semelhantes às rochas em que se encontram, obtendo assim uma diferença mensurável entre eles que dificulta a escavação. Além disso, os fósseis geralmente são pequenos e, portanto, é necessário um nível de resolução que normalmente não pode ser produzido, e há muitas variações e peculiaridades na geologia local que podem gerar falsos negativos. Você poderia se debruçar escavando para encontrar nada mais que uma rocha ou uma cavidade no chão.

Da mesma forma, alguns ossos foram encontrados com contadores Geiger. Nas circunstâncias certas, os fósseis podem ter um nível mais alto de radioatividade do que os níveis de fundo e os ossos podem ser encontrados. Mas isso só funciona para ossos relativamente grandes que estão perto da superfície e que também são radioativos.

Um osso de asa quebrado de pterossauro em um declive. Ele está em má forma, mas está em uma área que vale a pena explorar. Foto: David Hone

Em ambos os casos, existem outras questões fundamentais. Estas são máquinas caras que podem ser grandes e de difícil manejo, requerem eletricidade e podem precisar de técnicos qualificados para usá-las ou interpretar os dados. Eles também trabalham apenas razoavelmente localmente, cobrindo uma pequena área de cada vez. Dado que a maioria dos melhores locais para caça de fósseis está em lugares remotos e inacessíveis, como terrenos baldios e desertos, levar máquinas como estas para a caça de fósseis torna-se um problema real. Os custos no tempo, esforço e dinheiro superam amplamente os benefícios. Um especialista em caçadores de fósseis pode cobrir muito mais terreno de forma muito mais eficaz do que a maioria dessas máquinas e pode chegar a áreas acima dos morros ou em vales que as máquinas não conseguem.

Em contraste, os métodos tradicionais ainda funcionam bem. Procurar fósseis na superfície, ou em terrenos que estão começando erodir é rápido e eficaz. Se você encontrar algo, então ótimo, e se precisar de um pouco de escavação para ver a condição do espécime ou identificar o que é, bem, isso não é dificil e é improvável que você perca dias ou meses fazendo um enorme buraco para descobrir que há muitos ossos corretamente detectados com seu radar, mas em condições muito ruins para serem coletados.

Tal processo pode ser de baixa tecnologia (ou até mesmo sem tecnologia, para alguns achados você nem precisa de um martelo geológico), embora hoje em dia um kit de GPS seja praticamente padrão. Os paleontólogos não apenas vagam aleatoriamente, mas obviamente começam com áreas geologicamente antigas e do tipo de rocha correta para manter os fósseis que estamos procurando. Os dinossauros aparecem ocasionalmente em sedimentos marinhos, mas geralmente há pouca caça a eles em rochas depositadas no mar. Formações inteiras podem ser rastreadas por centenas de quilômetros para encontrar novas áreas para procurar espécimes e, claro, áreas que foram produtivas antes provavelmente serão novamente.

As caças também são focadas em regiões de alta erosão. Se as rochas e os solos estão se desgastando, os ossos enterrados virão à superfície onde podem ser encontrados – a busca em áreas onde há pouca ou nenhuma erosão nunca revelará nada de novo. Esta é uma razão pela qual os pesquisadores continuam voltando para os mesmos locais, não só pode levar anos para escavar grandes espécimes, mas também há coisas novas disponíveis para encontrar em cada viagem.

Kit de prospecção para um paleontólogo. Além do GPS, tudo é de extrema baixa tecnologia. Foto: David Hone

A identificação de fósseis pode ser fácil em alguns casos em que os ossos têm uma textura e cor distintas em comparação com as rochas circundantes, mas nem sempre é assim e há muitas coisas que parecem ossos e não são. Embora qualquer um possa encontrar espécimes, o reconhecimento de padrões também é essencial para ser um bom caçador de fósseis e é por isso que a experiência conta muito. Esqueletos na superfície já estão se desgastando, então o que você está procurando são pedaços de ossos que estão apenas começando a aparecer e que podem ser de interesse. Um único dinossauro pode ter várias centenas de ossos diferentes no corpo e estes têm formas 3D complexas. Qualquer osso pode estar quebrado, parcialmente enterrado ou estar em um ângulo estranho.

A paleontologia continua sendo um campo pequeno, talvez haja apenas alguns milhares de acadêmicos trabalhando em todo o mundo nessa área e ainda menos pessoas que se concentram em coisas maiores, como árvores, dinossauros e mamíferos, onde os restos podem ser mais adequados para a detecção remota. Isso significa que nunca teremos um mercado grande o suficiente para impulsionar o desenvolvimento de novas tecnologias para a caça de fósseis e por que não é uma grande surpresa que não tenha havido um foco maior em máquinas para encontrar fósseis. Os paleontólogos ainda dependem de um olho aguçado e de um conhecimento detalhado da anatomia. Isso nos serviu bem por mais de duzentos anos e eu espero que ainda seja o principal método de caçar fóssil por mais um século.

Publicação arquivada em