Técnica reprodutiva de FIV com material genético de três pessoas ganha força na Austrália

562 0

Comitê autraliano emite recomendações para impulsionar o uso clínico de tecnologia reprodutiva de à fertilização in vitro (FIV) com material genético de três pessoas (Via Nature News and Comment).

A tecnologia reprodutiva usada juntamente com a fertilização in vitro (seleção de embriões mostrada na imagem) pode ajudar mães a evitar transmissão de doenças mitocondriais.

Um grupo de políticos australianos divulgou um roteiro para o país avançar na legalização da doação mitocondrial. As recomendações do grupo, publicadas em 27 de junho, incluem que o governo consulte especialistas públicos e científicos sobre o uso clínico da tecnologia reprodutiva, que poderia ajudar mulheres a evitar que doenças genéticos sejam transmitidas para seus filhos através de mutações em suas mitocôndrias, as estruturas celulares que geram energia.

A técnica usa um óvulo doador saudável para criar um embrião com o DNA nuclear de duas pessoas e o DNA mitocondrial de uma terceira. O embrião pode então ser implantado usando FIV. O Reino Unido é atualmente o único país a permitir a doação mitocondrial, embora nenhum bebê tenha nascido usando o procedimento. Cingapura também está considerando legalizar a técnica.

O comitê australiano, composto por membros do parlamento do partido governista, da oposição e de partidos menores, realizou uma pesquisa de três meses antes de divulgar recomendações ao governo. Essas recomendações incluem que o governo prepare opções para mudanças nas leis que permitam o uso da tecnologia reprodutiva, e que ajude os australianos com doenças mitocondriais a serem tratados no Reino Unido nesse meio tempo. Cientistas e grupos de pacientes aceitaram as recomendações. O governo australiano ainda precisa responder se aceita ou não as recomendações.

A doença mitocondrial é um grupo de condições que afeta até uma em cada 500 crianças e cerca de 12 em cada 100.000 adultos. Os sintomas variam de leve a severamente debilitante e com risco de vida, afetando muitos sistemas no corpo, incluindo o sistema gastrointestinal, musculoesquelético, endócrino, cardíaco e nervoso central.

Fonte: Nature (doi: 10.1038/d41586-018-05451-z https://goo.gl/7fYLj3). Foto em destaque: Oocyte with Zona pellucida by ZEISS Microscopy.