Este droide voador espacial quer fazer amizade com astronautas

690

A “Mobile Companion”, é uma investigação da Agência Espacial Europeia (ESA), que explora o uso da IA como uma forma de reduzir o estresse e a carga de trabalho da tripulação durante voos espaciais de longo prazo.

À medida que astronautas mais se aventuram para mais distante no espaço e mais tempo eles passam em um ambiente confinado, mais aumenta a necessidade de um assistente com inteligência artificial (IA) dentro de uma espaçonave. Tendo esse quadro em mente, a Agência Espacial Europeia procurar pesquisar os benefícios de um droide autônomo com o CIMON, o primeiro sistema de assistência baseado em IA para astronautas.

O CIMON foi criado pela Airbus, em cooperação com a IBM, para fornecer assistência de missão e voo a bordo da Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês). O robô redondo de cinco quilogramas parece aquelas bolas de peso de medicina e tem um rosto inesquecível. Na imagem, CIMON é retratado flutuando em gravidade zero em um ambiente semelhante ao da Estação Espacial.

O CIMON, um acrônimo para “Crew Interactive MObile CompanioN” (algo como “Companheiro Móvel Interativo da Tripulação” em tradução livre), foi treinado para interagir com o astronauta da Agência Espacial Europeia, Alexander Gerst (ESA/Expedição 56), usando-se fotos e amostras da voz de Gerst. O bot será lançando este mês de junho com outros equipamentos científicos a bordo da sonda Dragon na 15ª missão de reabastecimento da SpaceX, prevista para ser lançada nesta sexta-feira (29).

Gerst testará o CIMON a bordo da estação espacial até outubro de 2018. Descrito pela Airbus e outros como um “cérebro voador”, o CIMON será o primeiro de seu tipo no espaço e esperançosamente se tornará “um genuíno ‘colega’ a bordo”, afirmou um comunicado à imprensa da companhia.

A Airbus espera que a voz de computador e a tela do CIMON ajudem a AI a “fazer amizade” com os astronautas a bordo da estação espacial, disseram representantes da empresa no comunicado. Para ajudar, o CIMON usará a tecnologia Watson AI da IBM e “poderá escutar, entender e falar com o usuário”, disse Till Eisenberg, líder de projeto CIMON na Airbus, em um email ao site especializado em tecnologia e ciência espacial Space.com.

Eisenberg explicou ao site que “o CIMON pode guiar a tripulação” e ajudá-los “lendo instruções, mostrando texto ou vídeo na tela e respondendo perguntas”. Ele também disse que o bot redondo será capaz de detectar os ânimos dos usuários e usar essa informação para interagir melhor com a tripulação.

De acordo com a declaração da Airbus, o CIMON também ajudará Gerst com três tarefas principais a bordo da ISS:

– Experimentando com cristais de proteínas;
– Resolvendo um cubo de Rubik com a ajuda de vídeos;
– Realização de um experimento médico — o CIMON atuará como uma câmera voadora “inteligente” para documentar o experimento.

O CIMON também servirá para demonstrar e explorar como robôs, especificamente robôs com “inteligência emocional”, irão interagir socialmente com humanos. A declaração da Airbus disse que as interações sociais entre humanos e robôs serão especialmente importantes para missões espaciais de longo prazo.

Mas o CIMON não será apenas uma ferramenta importante (ou “colega”) para os astronautas. A bola-robô de aparência feliz também pode ser útil em ambientes hospitalares ou de assistência social, disse o comunicado. No entanto, enquanto as aplicações potenciais do droide são animadoras, “ainda há algum caminho a percorrer” antes que a tecnologia seja comum no espaço e em nossas vidas regulares, disse Eisenberg.

Um assistente como o CIMON pode ser vital para os astronautas por causa do ambiente estranho e muitas vezes difícil a bordo da estação espacial. “Os astronautas têm que trabalhar em um ambiente desafiador”, disse Eisenberg. “Eles têm que trabalhar em várias instalações e realizar experimentos em diferentes disciplinas em um ambiente barulhento e complexo”.

Um dos exercícios do CIMON na Estação Espacial Internacional ISS envolverá um Cubo de Rubik, segundo a Airbus. (Crédito: Airbus)

Eisenberg e o resto da equipe da Airbus acham que o CIMON poderia reduzir o estresse no trabalho e facilitar as tarefas, disse ele.

Talvez o fato mais fascinante sobre este novo assistente de astronauta com IA seja a inspiração por trás de seu design. Enquanto Gerst tenha tido alguma influência na aparêna e na voz de CIMON, Eisenberg disse ao Space.com que, entre as muitas influências do design, “a conexão mais próxima pode ser vista no professor Simon Wright da ficção científica ‘Capitão Futuro'”, um cientista que, na série de ficção científica publicada de 1940 a 1951, colocou seu cérebro em um corpo robótico.

Fontes: Airbus (https://goo.gl/Ko9Ztt / https://goo.gl/Y7Nkdv), Space.com (https://goo.gl/9zPyh8), NASA (https://goo.gl/VzG5UL) e DLR (https://goo.gl/5iqfE6).

Publicação arquivada em