Ameaça humana faz animais criarem hábitos mais noturnos

1726

Um novo estudo publicado na Science descobriu que os mamíferos estão se tornando mais noturnos em resposta à atividade humana.

A atividade humana está fazendo com que os mamíferos do planeta fujam da luz do dia para a proteção no escuro da noite, de acordo com um novo estudo da Universidade da Califórnia em Berkeley (UC Berkeley).

O estudo, publicado na revista científica Science (https://goo.gl/m4cvr5), e apoiado em parte pela National Science Foundation (NSF), representa o primeiro esforço para quantificar os efeitos globais da atividade humana nos padrões diários de atividade da vida selvagem. Os resultados destacam o processo poderoso e amplamente difundido pelo qual os animais alteram seu comportamento ao lado das pessoas: a perturbação humana está criando um mundo natural mais noturno.

“As perdas catastróficas em populações de animais selvagens e habitats como resultado da atividade humana estão bem documentadas, mas as maneiras mais sutis pelas quais afetamos o comportamento animal são mais difíceis de detectar e quantificar”, disse em um comunicado da UC Berkeley (https://goo.gl/mhf6V9) a estudante de doutorado em Berkeley e principal autora do estudo, Kaitlyn Gaynor.

Gaynor, juntamente com os coautores Justin Brashares e Cheryl Hojnowski da UC Berkeley, e Neil Carter da Boise State University (https://goo.gl/VzgSFz), aplicaram uma abordagem de meta-análise, usando dados de 62 espécies em seis continentes para procurar mudanças globais no tempo de atividade diária de mamíferos em resposta a influência dos seres humanos. Esses dados foram coletados por várias abordagens, incluindo câmeras disparadas remotamente, GPS e colares de rádio e observação direta. Para cada espécie em cada local de estudo, os autores quantificaram a diferença na noturnalidade animal sob baixa e alta perturbação humana no ambiente.

Em média, segundo o estudo, os mamíferos foram 1,36 vez mais noturnos em resposta a distúrbios humanos. Isso significa que um animal que naturalmente divida sua atividade uniformemente entre o dia e a noite aumentou sua atividade noturna para 68% quando em ambiente próximo a pessoas.

Esse achado foi consistente entre espécies de carnívoros e herbívoros de todos os tamanhos de corpos maiores que um quilograma (pequenos mamíferos não foram incluídos no estudo). O padrão também se aplica a diferentes tipos de distúrbios humanos, incluindo atividades como caça, caminhadas, mountain biking e infraestrutura, como estradas, assentamentos residenciais e agricultura.

“Nós examinamos os efeitos antropogênicos sobre os padrões de atividade dos mamíferos, conduzindo uma meta-análise de 76 estudos de 62 espécies de seis continentes. Nosso estudo global revelou um forte efeito dos seres humanos nos padrões diários da atividade da vida selvagem. Os animais aumentaram a sua noturnalidade por um fator médio de 1,36 em resposta a perturbações humanas”, relataram os pesquisadores.

De acordo com Brashares, professor do Departamento de Ciência, Política e Administração Ambiental (https://goo.gl/CvFzNE) e principal autor do estudo, as consequências da mudança comportamental na vida selvagem podem ser vistas através de lentes contrastantes. “Do lado positivo, o fato de que a vida selvagem está se adaptando para evitar humanos temporariamente pode ser visto como um caminho para a coexistência de humanos e animais selvagens em um planeta cada vez mais lotado”, disse Brashares. “No entanto, os padrões de atividade animal refletem milhões de anos de adaptação — é difícil acreditar que podemos simplesmente espremer a natureza na metade escura de cada dia e esperar que ela funcione e prospere”.

No artigo, os autores descrevem uma gama de potenciais consequências negativas das mudanças que relatam na vida selvagem, incluindo desequilíbrios entre o ambiente e as características de um animal, perturbação do comportamento normal de forrageamento, aumento da vulnerabilidade a predadores não humanos e aumento da concorrência. Eles ressaltam, no entanto, que, embora muitos dos estudos incluídos em sua análise tenham documentado um claro aumento na atividade noturna, poucos examinaram as consequências para os animais, populações ou ecossistemas individuais.

“Esperamos que nossas descobertas possam abrir novos caminhos para a pesquisa da vida selvagem em paisagens dominadas por humanos. Ainda temos muito a aprender sobre as implicações dos padrões alterados de atividade para o manejo de populações de animais selvagens, interações entre espécies e até mesmo a evolução induzida pelo homem”, disse Gaynor.

Fonte: “Human disturbance creates a more nocturnal natural world”, University of California – Berkeley. https://goo.gl/mhf6V9

Referência: The influence of human disturbance on wildlife nocturnality, Kaitlyn M. Gaynor, Cheryl E. Hojnowski, Neil H. Carter, Justin S. Brashares, Science (2018), Vol. 360, Issue 6394, pp. 1232-1235. DOI: 10.1126/science.aar7121 (https://goo.gl/m4cvr5).

Publicação arquivada em