4934

Este excerto foi retirado do novo livro de Steven Pinker, Enlightenment Now: The Case for Reason, Science, Humanism, and Progress, republicado originalmente no site Apolitical com permissão do autor e traduzido pela Sociedade Científica.

Para tornar o discurso público mais racional, as questões devem ser despolitizadas tanto quanto possível. Experiências mostraram que quando as pessoas ouvem falar de uma nova política, como a reforma do bem-estar social, elas gostarão se for proposta pelo próprio partido e odiarão se for proposta pelo outro – e o tempo todo convencidas de que estão reagindo dessa forma graças a seus méritos objetivos.

Isso implica que os porta-vozes devem ser escolhidos com cuidado. Vários ativistas do clima lamentaram que, escrevendo e estrelando o documentário Uma Verdade Inconveniente, Al Gore possa ter feito ao movimento mais mal do que bem, porque como ex-vice-presidente democrata e candidato presidencial ele carimbou a mudança climática com um selo de esquerda . (É difícil acreditar hoje, mas o ambientalismo já foi denunciado como uma causa de direita, no qual a nobreza se preocupava freneticamente com os habitats de caça de patos e as visões de suas propriedades rurais em vez de questões sérias como racismo, pobreza e Vietnã. Recrutando comentadores conservadores e libertários que foram convencidos pela evidência e estão dispostos a compartilhar as suas preocupações seria mais eficaz do que recrutar mais cientistas para falar mais devagar e mais alto.

Além disso, a situação factual deve ser separada dos remédios que são carregados de significado político simbólico. O acadêmico de direito Daniel Kahan descobriu que pessoas são menos polarizadas em suas opiniões sobre a existência das mudanças climáticas antropogênicas quando são lembradas da possibilidade de serem mitigadas pela geoengenharia do que quando são informadas de que é necessário controles rigorosos das emissões. (Isso, obviamente, não significa que a própria geoengenharia precisa ser defendida como a solução principal.)

Despolitizar um problema pode levar a uma ação real. Kahan ajudou um convênio de empresários, políticos e associações de moradores da Flórida, muitos deles republicanos, a concordar com um plano para se adaptar ao aumento do nível do mar que ameaçava as estradas costeiras e o abastecimento de água doce. O plano incluía medidas para reduzir as emissões de carbono, que em outras circunstâncias seriam politicamente radioativas. Mas enquanto o planejamento estava focado em problemas que eles pudessem ver e a história política divisiva de fundo estivesse minimizada, eles agiam razoavelmente.

Da parte da mídia, ela poderia examinar seu papel em transformar a política em um esporte, e intelectuais e especialistas poderiam pensar duas vezes sobre competir. Podemos imaginar um dia em que os colunistas e palestrantes mais famosos não tenham uma orientação política previsível, mas tentem chegar a conclusões baseadas em análises? Um dia em que “estar apenas repetindo a posição da esquerda [ou da direita]” é considerado uma pegadinha devastadora? Em que as pessoas (especialmente acadêmicos) responderão a perguntas como “o controle de armas reduz o crime?” ou “o salário mínimo aumenta o desemprego?” com “espere, deixe-me procurar a última meta-análise” em vez de um reflexo patelar previsível das suas políticas? Um dia que os escritores da direita e da esquerda abandonam a forma de debate de Chicago (“eles puxam uma faca, você puxa uma arma. Ele envia um dos seus para o hospital, você envia um dos dele para o necrotério”) e adotem a tática dos controladores de armas do Graduated Reciprocation in Tension-Reduction (fazer uma pequena concessão unilateral com um convite que seja correspondido)?

Esse dia está muito longe. Mas os poderes de auto-cura da racionalidade, em que as falhas no raciocínio são apontadas como alvos para a educação e crítica, levam tempo para funcionar. Levou séculos para que as observações de Francis Bacon sobre o raciocínio anedótico e a confusão de correlação com a causalidade se tornassem uma segunda natureza para as pessoas cientificamente alfabetizadas. Levou quase cinquenta anos para que as demonstrações de disponibilidade e outros vieses cognitivos de Tversky e Kahneman fizessem avanços em nossa sabedoria convencional. A descoberta de que o tribalismo político é a forma mais insidiosa de irracionalidade hoje ainda é recente e desconhecida. De fato, pensadores sofisticados podem ser tão infectados por ela quanto qualquer outra pessoa. Com o ritmo acelerado de tudo, talvez as contra-medidas apareçam mais cedo.

Por mais tempo que seja, não devemos deixar que a existência de vieses cognitivos e emocionais ou os espasmos da irracionalidade na arena política nos desencorajem do ideal iluminista de buscar a razão e a verdade sem hesitar. Se pudermos identificar maneiras pelas quais os humanos são irracionais, precisamos saber o que é racionalidade. Como não há nada especial sobre nós, nossos companheiros devem ter pelo menos alguma capacidade de racionalidade, também. E é na própria natureza da racionalidade que os raciocinadores podem sempre recuar, considerar suas próprias deficiências e raciocinar maneiras de contorná-los.

Publicação arquivada em