O QI é um conceito estúpido e revela a terrível realidade por trás de seu teste

Muitos de nós usamos os termos “QI” e “inteligência” como se eles fossem permutáveis. Eles não são. A pontuação de QI não é um demonstrativo mágico de inteligência; apenas quantifica sua capacidade de fazer um tipo específico de teste. Ocidentais brancos e...

9041 0

Muitos de nós usamos os termos “QI” e “inteligência” como se eles fossem permutáveis. Eles não são. A pontuação de QI não é um demonstrativo mágico de inteligência; apenas quantifica sua capacidade de fazer um tipo específico de teste. Ocidentais brancos e ricos tendem a ser os melhores nesses exames, mas isso não significa que eles sejam mais espertos do que o resto do mundo. Pesquisas indicam cada vez mais que as vantagens que o grupo desfruta – como melhor educação e saúde – os preparam para o sucesso em tais avaliações. E não faz mal que a educação mais cara seja geralmente voltada para melhorar a habilidade de preencher as bolhas apropriadas. O acesso ao dinheiro, à escola e à saúde pode mudar a perspicácia aparente – mas o QI ignora o intelecto inerente.

Raça

Em algumas partes do mundo, as crianças que receberam avaliações de QI não estavam familiarizadas com o conceito de testes padronizados, muito menos com o formato de pergunta ou assunto. A correlação estabelecida entre raça e QI não revela uma vantagem genética inerente. Ela mostra quão estreitamente sua pontuação está vinculada à saúde, riqueza e acesso à educação.

Doença

Pesquisas sugerem que o custo físico da doença impede o desenvolvimento adequado do cérebro. Portanto, faz sentido que pessoas em áreas propensas a doenças com sistemas de saúde ruins não pontuem tão bem nesses tipos de exames. Indivíduos com altas pontuações de QI tendem a viver mais, mas não porque fazem escolhas médicas mais inteligentes.

Educação

Para cada ano adicional de escola, a pessoa mediana pode atingir mais dois ou três pontos de QI, o que geralmente ajuda aqueles em regiões mais ricas a superarem seus pares mais pobres. A primeira infância, quando o cérebro ainda está em desenvolvimento, é especialmente crucial. Mas mesmo as crianças mais velhas adotadas em lares com maior nível educacional podem ganhar cerca de 12 pontos em relação aos irmãos biológicos.

O efeito Flynn
O efeito Flynn

O efeito Flynn

Hoje, o QI médio no Quênia oscila em torno de 72, ligeiramente menor do que o que um britânico teria marcado em 1948. Os pontos aumentam de maneira confiável nos países desenvolvidos; aumentar o acesso à educação, à saúde e à alimentação melhora as condições de vida e estimula o desenvolvimento do cérebro. O chamado efeito Flynn está se estabilizando no Ocidente, mas o Quênia ainda está em processo de desenvolvimento, alcançando 25 pontos desde que os testes começaram nos anos 80. Muitos países empobrecidos ainda não entraram nesse caminho. Quando isso acontecer, devemos esperar ver QIs próximos à margem de igualdade.

Traduzido e adapto de Popular Science.

Publicação arquivada em