A misteriosa galáxia sem matéria escura

Pesquisadores dos EUA e Canadá descobriram uma galáxia distante que, inesperadamente, não contém matéria escura, esse misterioso material cuja massa parece ter efeitos gravitacionais sobre a matéria visível, como estrelas e galáxias, afetando os seus...

5397 0

Pesquisadores dos EUA e Canadá descobriram uma galáxia distante que, inesperadamente, não contém matéria escura, esse misterioso material cuja massa parece ter efeitos gravitacionais sobre a matéria visível, como estrelas e galáxias, afetando os seus movimentos pelo universo .

Na verdade, os cientistas pensam que 27% do universo é matéria escura, sendo matéria comum, que vemos, apenas 5%. Os 68% restantes corresponderiam à energia escura, também enigmática.

Na maioria das galáxias, a matéria escura é o tipo predominante de matéria. Em galáxias como a Via Láctea, normalmente há cerca de 30 vezes mais matéria escura do que a matéria ‘normal’ (que é calculada com a massa de suas estrelas). Curiosamente, esta proporção de matéria escura aumenta em galáxias maiores e menores em relação à nossa. Por exemplo, as galáxias anãs têm 400 vezes mais matéria escura.

Neste contexto, a equipe liderada pelo professor Pieter van Dokkum, da Universidade de Yale, analisou a galáxia NGC1052-DF2 (localizado perto de NGC 1052 na constelação de Cetus, cerca de 63 milhões de anos luz) e descobriu que não há matéria escura.

Apenas massa estelar

“Com base nos movimentos de dez aglomerados de estrelas brilhantes encontrados dentro dela, descobrimos que a massa de NGC1052-DF2 é essencialmente a mesma que a massa aparente das estrelas visíveis”, dizem os autores, que destacam: “Esta descoberta sugere que esta galáxia, ao contrário de outras, não parece ter qualquer matéria escura. ”

Paradoxalmente, dizem os cientistas, o fato de descobrir galáxias como NGC1052-DF2 pode ajudar a excluir algumas das teorias cosmológicas que têm sido propostas como alternativas para a matéria escura, incluindo aquelas que consideram modificar as leis de Newton para explicar o movimento das galáxias.

FonteSinc

Referência bibliográfica:

Pieter van Dokkum et al. “A galaxy lacking dark matter”. Nature, moarço de 2018. Doi: 10.1038/nature25767

Publicação arquivada em