As famílias mais ricas de Florença em 1427 ainda são as famílias mais ricas de Florença

As famílias mais ricas de Florença, na Itália, estão na boa por algum tempo – 600 anos para ser mais preciso. Isso é de acordo com um estudo recente de dois economistas italianos, Guglielmo Barone e Sauro...

23711 0

As famílias mais ricas de Florença, na Itália, estão na boa por algum tempo – 600 anos para ser mais preciso.

Isso é de acordo com um estudo recente de dois economistas italianos, Guglielmo Barone e Sauro Mocetti, que compararam os contribuintes florentinos em 1427 com os de 2011. Comparando a riqueza da família com aqueles com o mesmo sobrenome hoje, eles sugerem que as famílias mais ricas de Florença daquela época permanecem ricas ainda.

“Os principais contribuintes entre os atuais se encontram no topo da escala socioeconômica há seis séculos”, observam Barone e Mocetti. O estudo conseguiu explorar um conjunto de dados únicos – os dados dos contribuintes em 1427 foram digitalizados e disponibilizados online – para mostrar as tendências de longo prazo da mobilidade econômica.

Enquanto os pesquisadores admitem as falhas para rastrear a riqueza da família usando sobrenomes, eles apontam que os sobrenomes italianos são geralmente regionais e tendem a passar linearmente. As famílias no topo da hierarquia socioeconômica há seis séculos são as principais fontes de renda dos atuais contribuintes. Aqueles no topo da escada tinham os empregos mais prestigiados, enquanto as famílias “inferiores” tinham menos ocupações estimadas, com ganhos abaixo da média.

Embora não surpreenda que as famílias transmitam suas riquezas aos filhos, ainda é um tanto notável que essas famílias puderam manter sua riqueza através de vários cercos de Florença, a campanha de Napoleão na Itália, a ditadura de Benito Mussolini e duas guerras mundiais.

O estudo acrescenta mais evidências de como os ricos permanecem ricos. Na Inglaterra, os pesquisadores já demonstraram como o status de uma família pode persistir por mais de oito séculos, ou mais de 28 gerações inteiras. É uma característica compartilhada por famílias da elite na China, cujo alto status tem persistido desde os anos de Mao.

Quartz

Publicação arquivada em