10153 0

Os gregos antigos fetichizaram o corpo masculino em esculturas, representando homens poderosos e ilustres como figuras com músculos abundantes e ondulantes. Às vezes, essas figuras aparecem parcialmente cobertas por panos; muitas vezes, estão completamente nuas....

Os gregos antigos fetichizaram o corpo masculino em esculturas, representando homens poderosos e ilustres como figuras com músculos abundantes e ondulantes. Às vezes, essas figuras aparecem parcialmente cobertas por panos; muitas vezes, estão completamente nuas.

Para o olho contemporâneo, seus corpos são os ideias, exceto por um detalhe importante. “Eles possuem pênis pequenos, em comparação com a média da humanidade”, diz o historiador de arte Andrew Lear, especialista em arte e sexualidade gregas antigas. “E eles geralmente estão flácidos”.

Inúmeros amantes e historiadores da arte contemporânea foram atingidos pela natureza modesta dos falos que figuram em esculturas clássicas de deuses, imperadores e outros homens de elite – de Zeus a atletas famosos. Os pequenos membros parecem estar em desacordo com os corpos maciços e as personalidades miticamente grandes que os acompanham. Mas os gregos antigos tiveram suas razões para essa escolha estética.

Screenshot_1Retorne para o mundo grego antigo de cerca de 400 aEC, e você perceberá que grandes pênis eretos não eram considerados desejáveis, nem eram um sinal de poder ou força. Em sua peça As Nuvens (419-423 aEC), o dramaturgo grego Aristófanes resumiu os traços ideais de seus pares masculinos como “um peito reluzente, pele brilhante, ombros largos, língua minúscula, nádegas fortes e um pequeno pênis.”

O historiador Paul Chrystal também realizou pesquisas sobre esse antigo ideal. “O pênis pequeno era consonante com os ideais gregos da beleza masculina”, ele escreve em seu livro In Bed with the Ancient Greeks (em tradução literal: Na Cama com os Antigos Gregos), de 2016. “Foi um emblema da cultura mais refinada e um modelo de civilização”.

Na arte grega antiga, a maioria das características de um grande homem eram representadas como amplas, firmes e brilhantes, então por que esses mesmos princípios estéticos não eram aplicados ao pênis? Como sugerem Lear e outros historiadores, parte da resposta reside em como os falos de homens menos admiráveis eram retratados.

Screenshot_2Os depravados sátiros, em particular, eram representados com órgãos genitais grandes e eretos, às vezes quase tão eretos como os seus torsos. De acordo com a mitologia, essas criaturas eram parte homem e parte animal, e totalmente descontrolados – uma qualidade que a alta sociedade grega relegava. “Os grandes pênis eram vulgares e fora da norma cultural, algo exibido apenas pelos bárbaros”, escreve Chrystal. De fato, em vários potes e frisos de ânfora, sátiros bem dotados podem ser vistos bebendo e aprazendo a si mesmos com abandono.

Na comédia grega, os tolos também tinham grandes órgãos genitais – “o sinal da estupidez, mais uma besta do que um homem”, segundo Chrystal. Tinham, também, as representações artísticas dos egípcios, diz Lear, que eram inimigos de longa data dos gregos.

Desta forma, os sátiros, os tolos e os inimigos serviram de lâminas para deuses e heróis masculinos, que foram honrados por seu próprio controle e inteligência (juntamente com outras qualidades que requerem restrições, como lealdade e prudência). Se os grandes falos representassem apetites vorazes, então “pode-se concluir que o pênis pequeno e flácido representava autocontrole”, explica Lear.

Screenshot_3Enquanto hoje ser bem dotado é muitas vezes equiparado ao poder e mesmo à boa liderança, “o pênis nunca foi um emblema de virilidade ou masculinidade na Grécia antiga, como foi em outras culturas”, escreve Chrystal. “A potência vinha do intelecto necessário para criar os filhos, prolongar a linha familiar e a oikos [a unidade familiar ou a família] e sustentar a polis [cidade-estado]”.

Não há dúvida de que, em toda a arte grega antiga, a representação do falo – e seu tamanho variado – era simbólica. Como sugere Lear, isso pode sugerir por que os artistas da época retrataram nus masculinos com tanta frequência, mesmo quando um personagem ou narrativa poderia não exigir isso. “Eles usaram o pênis como um indicador pessoal”, explica Lear. “O tamanho dizia algo”.

Naquela época, o tamanho indicava se um homem era ou não correto. Mas, embora o simbolismo cultural do pênis tenha mudado, algumas coisas não mudaram. Assim, como agora, o sexo masculino era visto como a destilação da habilidade de um homem de dominar.


A router has two Fast Ethernet interfaces and needs to connect to four VLANs in the local network. How can you accomplish this task, using the fewest physical interfaces and without decreasing network performance? A. Use a hub to connect the four VLANS with a Fast Ethernet interface on the router. B. Add a second router to handle the VLAN traffic. C. Add two more Fast Ethernet interfaces. D. Implement a router-on-a-stick configuration.
210-260
It is actually suggesting that the applicants preparing for CCNA Routing and Switching 200-125 Cisco Certified Network Associate, use both the preparation approaches. This will help all applicants to earn the assistances of both the approaches.
200-125
Most CCNA study guides are about 800 pages so there are lots of concepts and nuisances that are covered and we highly recommend you purchase a CCNA study guide to assist you in your self study efforts.
http://www.itcert-online.com/
It is written in layman’s terms for very green students and it the cheapest solution. However I have found that it does not go as in-depth to some topics as I might like.
300-115
But it is a solid solution. The next suggestion is the Cisco Press CCNA study guide. This is a more expensive solution and is written in technical terms and probably does not explain some of the concepts as clearly as the Sybex Guide.
cisco
However, most of the time many questions asked in a preceding exam are somewhat repeated either in the same formulation or paraphrased.

Artsy

Tradução de Élisson Amboni

Publicação arquivada em