Projeto de colaboração coletiva busca ressuscitar as placas da Pionner

Um esforço de colaboração coletiva pretende construir réplicas dos “C” famosos que estão viajando para fora do Sistema Solar com as sondas espaciais Pioneer 10 e 11. Um diretor criativo obcecado com design e exploração espacial lançou uma campanha...

2146 0

Um esforço de colaboração coletiva pretende construir réplicas dos “C” famosos que estão viajando para fora do Sistema Solar com as sondas espaciais Pioneer 10 e 11.

Um diretor criativo obcecado com design e exploração espacial lançou uma campanha para refazer o “cartão galáctico” de bilhões de milhas no espaço novamente –  produzindo e oferecendo réplicas exatas .

Quarenta e cinco anos atrás,  a NASA lançou Pioneer 10, a primeira sonda a encontrar Júpiter e a primeira a alcançar a velocidade de escape do nosso Sistema Solar. Montada em seu suporte de antena estava uma placa de alumínio anodizado de ouro que foi gravado com “um pouco de onde estamos, quando estamos e quem somos”, de acordo com o falecido Carl Sagan, que ajudou a criar a placa na chance que uma outra sociedade avançada encontrasse a sonda abandonada.

“[Ela] foi muito possivelmente a peça mais ambiciosa de comunicação visual jamais concebida”, disse o criador do projeto Duane King como  parte de sua campanha Kickstarter. “E agora eu estou trazendo-as de volta.”

Três placas foram originalmente produzidas pela NASA. Duas estão agora a milhares de milhões de milhas de distância e ainda viajando, aparafusadas as sondas Pioneer 10 e Pioneer 11 (a Pioneer 11, que foi lançada no ano seguinte à Pioneer 10, foi a  primeira sonda a encontrar Saturno). A terceira está exibida com o protótipo da nave espacial em  exposição no Museu Aeroespacial Nacional do Smithsonian em Washington, DC.

Desenhada por Sagan e  Frank Drake, um astrônomo e pioneiro na busca de inteligência extraterrestre (SETI) e com arte preparada por Linda Salzman Sagan, segunda mulher de Carl Sagan, a placa incluía um diagrama da transição de hidrogênio atômico neutro, um critério universal proporcionando uma unidade de tempo e duração ao longo do universo; uma representação radial de onde a Terra está localizada em relação a outros objetos celestes; e figuras de um homem e uma mulher.

“A placa é uma expressão da visão e espírito que define a humanidade no seu melhor”, disse King, cujo portfólio de design próprio inclui obras para a Apple, Herman Miller e Nike. “Com o artefato de design visual mais remoto da Terra, a placa é um símbolo de esperança, curiosidade e admiração.”

Querendo sua própria placa, King procurou o gravador de precisão Ponciano Barbosa, o artesão que fez as placas para a NASA em 1972.

“Depois dele ter feito uma para mim, fiquei impressionado com o fato de haver penas três outras placas, próximas e distantes, em nosso universo; E então ficar com uma em minhas mãos foi um sentimento mágico”, afirmou King. “E eu tinha que compartilhar esse sentimento que eu tive com os outros.”

King está procurando levantar $70.000 para produzir 200 réplicas manualmente-gravadas de  6 por 9 polegadas (23 por 15 centímetros) da placa da Pionner, em um esforço para expandir seu alcance a todos os públicos.

“Cada detalhe foi cuidadosamente pensado para criar as réplicas historicamente mais precisas,” descreveu King.

As réplicas gravadas por Barbosa estarão disponíveis por US $399 cada. As reedições gravadas a laser poderão ser oferecidas por US $ 99 cada. Ambas serão feitos a partir de alumínio 6061 T6 anodizado a ouro e incluem uma mala adequada para o armazenamento ou exposição.

Se a iniciativa de King for cumprida até 16 de Junho, é esperado que as placas sejam lançadas em setembro.

“Vai ser o artefato mais antigo da humanidade”, disse Sagan, antes do lançamento da placa Pioneer original março em 1972. “Porque um bilhão de anos a partir de agora, a formação de montanhas e a erosão terão destruído tudo na Terra, mas essa placa vai permanecem intacta.”

As placas da Pionner inspiraram os  discos de ouro que depois voaram com as sondas Voyager da NASA, mas as placas permanecem como a única representação puramente visual da humanidade a partir do Sistema Solar.

“Bilhões de anos a partir de agora, quando tudo o que já fizemos transformou a poeira, as chapas pioneiras ainda estarão lá fora flutuando no espaço”, disse King. “Com a sua ajuda, você pode levar para casa uma ‘pintura rupestre interestelar’ de seu próprio planeta.”

Traduzido e adaptado de Scientific American

Publicação arquivada em